China libera Brasil para exportação de carne bovina

11996142
Reabertura do mercado fortalece ainda mais a posição do Brasil como um dos principais fornecedores mundiais de carne bovina. Foto: Divulgação

mercado chinês está de volta à agenda de exportações da carne bovina brasileira. O anúncio foi feito nesta quinta, dia 17, pela presidente Dilma Rousseff durante a visita oficial do presidente da República Popular da China, Xi Jinping. Com isso, o Brasil retoma a comercialização, que girava em torno de US$ 37,7 milhões até 2012, ano em que as negociações foram interrompidas.

Exportações brasileiras de carne bovina mantêm alta e preços devem ser recordes

O embargo da carne bovina brasileira pela China aconteceu após notificação do caso de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), o Mal da Vaca Louca, no Estado do Paraná, em dezembro de 2012. Para o ministro da Agricultura, Neri Geller, a reabertura do mercado fortalece ainda mais a posição do Brasil como um dos principais fornecedores mundiais de carne bovina.

– É um reconhecimento à qualidade da nossa produção e robustez do nosso sistema de vigilância sanitária animal. O Brasil saiu fortalecido com o caso (atípico de vaca louca em maio) em Mato Grosso e o certificado da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) que considerou o Brasil com o status de risco insignificante (da doença) – declarou.

O ministro disse que a estimativa é de que o país asiático compre até US$ 1 bilhão do produto brasileiro em 2015.

– Estamos com uma expectativa, com a barreira fitossanitária sendo quebrada [pela China], de exportamos de US$ 800 milhões a US$ 1 bilhão no próximo ano – disse Geller.

O governo chinês concordou em habilitar nove plantas para exportação. O ministro estimou entre 30% e 35% o crescimento do consumo de carne bovina pela China em 2015.

– Em 2009, quando abrimos o mercado, a China importava US$ 44 milhões em carne bovina do mundo e do Brasil foi US$ 2,5 milhões. Em 2012, quando perdemos o mercado, era US$ 255 milhões (importados) do mundo, o Brasil exportou naquele ano US$ 37,768 milhões – recordou.

Agora, o Neri Geller acredita que o Brasil possa absorver a maior parte do mercado chinês, que no ano passado importou US$ 1,3 bilhão. Com isso, as exportações para o país asiático poderão responder por cerca de 20% do total exportado pelo Brasil.

Informações: Rural Pecuária

Redação

Todos os textos publicados no Morro Redondo Online podem ser copiados e reproduzidos livremente, no todo ou em parte desde que a fonte seja citada. Nosso Portal também não se responsabiliza pelos comentários dos leitores e a publicação de conteúdos assinados, e, ou, de outras fontes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.