Em ordens de prisão, Barbosa manda PF agir com ‘urbanidade’

Nos 12 mandados de prisão que expediu na sexta-feira (15) contra parte dos condenados no processo do mensalão, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, deu ordem expressa para que os policiais federais que iriam executar as ordens judiciais agissem com “absoluta urbanidade” com os condenados.

G1 teve acesso a um dos documentos emitidos pelo STF, fornecido pelo advogado de um dos detentos sob a condição de que fosse mantido o sigilo dos dados pessoais do cliente.

No documento, Joaquim Barbosa também determinou às autoridades policiais assegurar aos presos “respeito” às garantias constitucionais. Apesar das precauções do magistrado, a PF não executou nenhuma detenção. Dos 12 réus que receberam ordens de prisão, 11 optaram por se apresentar voluntariamente à Polícia Federal.

Apenas o ex-diretor do Banco do BrasilHenrique Pizzolato ainda não está sob custódia da polícia. Condenado a 12 anos e 7 meses de prisão, o ex-dirigente do banco público fugiu para a Itália para evitar a prisão, informou o advogado que até então o representava na ação penal, Marthius Sávio Cavalcante Lobato. Pizzolato já é considerado foragido pela PF.

Na ordem de prisão, o ministro do STF também ressaltou que, após detidos, os 12 condenados deveriam ficar à disposição do juiz da Vara de Execução Penal de Brasília.

Veja abaixo cópia de um dos mandados de prisão expedidos pelo STF:

Cópia de mandado de prisão expedido pelo ministro Joaquim Barbosa para um dos réus condenados do mensalão (Foto: Reprodução)
Cópia de mandado de prisão expedido pelo ministro Joaquim Barbosa para um dos réus condenados do mensalão (Foto: Reproduç

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: G1.com

Redação

Todos os textos publicados no Morro Redondo Online podem ser copiados e reproduzidos livremente, no todo ou em parte desde que a fonte seja citada. Nosso Portal também não se responsabiliza pelos comentários dos leitores e a publicação de conteúdos assinados, e, ou, de outras fontes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.