Ministério Público Federal pede investigação da Polícia Federal sobre venda de ações do Banrisul

Após receber denúncia sobre a venda de ações do Banrisul por parte do governo do Estado em abril, o Ministério Público Federal (MPF) no Rio Grande do Sul solicitou que a Polícia Federal (PF) abra inquérito para investigar a operação financeira. Em nota, o MPF diz que considera haver “indícios da prática de crimes contra o mercado de capitais”. Dependendo das conclusões do inquérito policial, pode ser aberta representação judicial.

governo do Estado realizou dois leilões, neste ano, para vender ações do Banrisul. No dia 27 de abril, foram vendidos 2,9 milhões de papéis ordinários, que dão direito a voto em assembleias. A negociação, com preço mínimo por ação de R$ 17,65, gerou R$ 52,5 milhões. Essa operação não foi divulgada previamente, o que causou surpresa entre analistas e questionamentos sobre a legalidade do processo. No leilão anterior, ocorrido em 10 de abril, o governo havia comunicado ao mercado a intenção de vender 26 milhões de ações preferenciais (sem direito a voto), que renderam R$ 484,9 milhões.

Atualmente, já há outras duas investigações em andamento sobre a venda dessas ações. No início de maio, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), autarquia responsável por fiscalizar o mercado de capitais no país, abriu processo interno, a partir da reclamação de um investidor. Também o Ministério Público Estadual abriu inquérito, no fim de junho, para apurar possíveis irregularidades na segunda operação. O Ministério Público de Contas (MPC), provocado sobre o tema, solicitou mais informações e, se considerar que houve irregularidades, vai representar junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O pedido de investigação do MPF partiu de denúncia do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região (SindBancários) e da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Instituições Financeiras do Rio Grande do Sul (Fetrafi-RS).

Fonte: Rádio Gaúcha

Redação

Todos os textos publicados no Morro Redondo Online podem ser copiados e reproduzidos livremente, no todo ou em parte desde que a fonte seja citada. Nosso Portal também não se responsabiliza pelos comentários dos leitores e a publicação de conteúdos assinados, e, ou, de outras fontes.