“Sem querer aconselhar Dilma”, Barbosa pede sucessor de caráter e estadista

Em seu último dia no STF (Supremo Tribunal Federal) antes da aposentadoria, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Joaquim Barbosa, sugeriu perfis à presidente Dilma Rousseff para substituí-lo na mais alta Corte do País. Barbosa presidiu nesta terça-feira (1º) sua última sessão no Supremo.

Como é Dilma quem escolherá o sucessor do ministro, Barbosa citou características que considera fundamental em um representante do Judiciário para se tornar um membro da Corte.

— Sem dizer que estou dando um conselho para a presidente da República, que é quem escolhe, o que eu penso é o seguinte: um membro do STF tem que ter como característica fundamental ser um estadista ou, pelo menos, um estadista em gestação que aos poucos vá se aprimorar aqui dentro.

Barbosa: “Comprei brigas quando houve tentativa de desviar-se do caminho correto”

Leia mais notícias de Brasil e Política

Barbosa também pediu um ministro de “caráter”, mas que tenha abertura para mudar seus pontos de vista.

— O caráter da pessoa escolhida é também muito importante. Esse tribunal toma decisões fundamentais que influenciam enormemente a vida dos brasileiros. Aqui não é lugar para pessoas que chegam com vínculos a determinados grupos de pressão, aqui não é lugar para se privilegiar determinadas orientações. Tem que chegar aqui com abertura de espírito para ter até que mudar os seus pontos de vista anteriores e tomar as medidas que sejam do interesse da nação.

Na despedida da Corte, Barbosa também mandou um recado para quem quer defender interesses privados na Corte. No início do mês, o ministro mandou que seguranças retirassem o advogado de José Genoino, Luiz Fernando Pacheco, do STF depois de uma discussão.

— Essa visão, aquilo que chamei de quebra de praxe, essa tentativa de instrumentalização da jurisdição para fins partidários, para fins de fortalecimento de grupos, de certas corporações tudo isso é extremamente nocivo, em primeiro lugar a credibilidade do tribunal e a institucionalidade do nosso País.

No início do mês, a presidente Dilma Rousseff recebeu do movimento negro uma carta com sugestões de nomes para substituir o ministro Joaquim Barbosa da ONG Educafro (Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes) e do Cnpir (Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial).

O movimento afro acredita que o cargo deveria ser ocupado por uma pessoa negra. Para Barbosa, a cor do seu sucessor não faz diferença.

— Não tomo posição sobre isso. Cabe à presidente da República escolher, escolher bem uma pessoa que tem as características fundamentais, ou seja, grande conhecimento jurídico e aquelas outras qualidades que mencionei.

Fonte: Portal R7

Redação

Todos os textos publicados no Morro Redondo Online podem ser copiados e reproduzidos livremente, no todo ou em parte desde que a fonte seja citada. Nosso Portal também não se responsabiliza pelos comentários dos leitores e a publicação de conteúdos assinados, e, ou, de outras fontes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.